segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Crítica: Cloverfield - Monstro



J.J.Abrams realmente é um cara que sabe o que seu público gosta. Depois de estourar na televisão com séries como Alias e Lost, foi convidado para comandar o terceiro Missão Impossível e também o prequel de Jornada nas Estrelas. Neste meio-tempo, ele iniciou a produção de um filme misterioso que teve um trailer divulgado na internet que mostrava apenas pessoas em uma festa gravada por uma câmera caseira no centro de Manhattan, quando de repente explosões começam a acontecer e a cabeça da estátua da liberdade é jogada caindo no meio da rua onde continuam gravando em torno de muita histeria. O trailer causou furor, estava criado um fenômeno da internet.

Depois liberando o título provisório de "Cloverfield", Abrams inicou um marketing viral na própria internet, com sites e vídeos que continham dicas sobre a trama. As teorias nos fóruns de discussão iam de monstros gigantes a ataques terroristas. Umas até diziam que poderia ter alguma relação com a criatura misteriosa de Lost. O título provisório "Cloverfield", que era o nome da rua onde ficava a produtora foi mantido pelo tamanho da repercussão via internet e o filme finalmente estreou sem nenhuma imagem da criatura ser revelada, pois, que se tratava de um filme de monstro, isso todo mundo já sabia. A distribuidora nacional aliás, fez questão de estragar qualquer sutileza, inserindo o subtítulo "Monstro", totalmente desnecessário.

Na trama Rob Hawkins (Michael Stahl-David) mora em Nova York e está prestes a se mudar para o Japão (ironicamente o país que é conhecido por seus monstros gigantes famosos). Ele reúne os amigos em uma festa de despedida, na qual também é revelado sentimentos mal-resolvidos. Entretanto um forte solavanco assusta os convidados. Todos buscam notícias sobre o ocorrido na TV, que diz que a cidade sofreu um terremoto. Ao chegar ao terraço para ver os estragos o grupo nota bolas de fogo no céu, seguida pela queda de luz na cidade. O pânico toma conta de todos, o que aumenta ainda mais quando eles chegam à rua e presenciam acontecimentos extraordinários.

O filme é uma mistura de A bruxa de Blair, Godzilla e Tubarão. Explico, de Godzilla, vem a inspiração para o gênero "monstro gigante ataca metrópole". O Próprio Abrams declarou que teve a idéia para o filme após ver colecionáveis de Godzilla no Japão, foi quando pensou que os EUA também precisavam ter seu próprio monstro. De Tubarão, Abrams e o diretor Matt Reeves aprenderam a não entregar tudo de uma vez, criando um enorme suspense e tensão no espectador a cada relance que é revelado do monstro. E de A Bruxa de Blair foi chupada a idéia de mostrar o filme como se fosse uma gravação verdadeira feita por câmera caseira. A diferença é que em A Bruxa de Blair, apesar de ser mostrado como se fosse uma gravação real, os personagens eram estudantes de cinema fazendo um documentário, o que dava um aspecto mais profissional a gravação. Já em Cloverfield, são apenas pessoas comuns gravando uma festa com uma câmera caseira, o próprio rapaz que filma a maior parte do tempo, deixa claro que ele não tem a mínima experiência nesta área. Mas em contrapartida, hoje em dia, época da geração Youtube, é muito comum vermos câmeras amadoras por todo lado, como filmadoras digitais, maquinas fotográficas digitais e celulares. Uma coisa interessante, já que os produtores podem explorar o fato de que podem haver mais gravações do mesmo evento, com pontos de vistas diferentes.

É claro, que durante a projeção, nos indagamos porque diabos, diante de total catástrofe e desespero, o rapaz continua filmando tudo, inclusive momentos constrangedores para os protagonistas, mas que são de real importância para quem está assistindo. Podemos relevar estes detalhes como "licença poética" para que o filme atingisse seu objetivo. Além da tensão, o diretor tenta inserir momentos descontraídos não muito inspirados, inclusive um comentário nerd envolvendo Superman que não cabia no contexto da cena. Há também uma grande história de amor, sendo que mesmo diante de uma ameaça desse patamar, o protagonista tenta atravessar a cidade para salvar sua garota. E são momentos entre o casal que vemos em flashbacks de um passeio que fizeram como se fosse uma gravação antiga entre uma pausa e outra da nova gravação.

Mas o grande destaque do filme é mesmo a criatura, Revelada pouco a pouco pela trama, a criatura é um bebê-monstro que está totalmente perdido em um habitat que não é o seu, e não entende o porque dos ataques. Os profissionais de efeitos visuais fizeram um belo trabalho, e é recompensador quando vemos perto do final do filme, um deslumbre por inteiro da criatura. É acertada também a idéia de não inserir uma trilha sonora durante o filme, sendo que a única música que toca, é após um minuto e meio após o inicio dos créditos finais, quando finalmente podemos voltar respirar e voltar a nossa realidade.

4 comentários:

Conquistadores (Didixy) disse...

Achei esse filme horrivel. Acho que deve ser pq não gosto de Lost, mas vi muitas críticas contra o filme tbem.

jbeto disse...

Grande Celso Rodrigo!Acredita quer só agora eu li seu comentário no meu blog. É que tinha deixado de lado por uns tempos,mas já voltei com meus textos autorais/ confessíonais, afinal o cinema na verdade, é isso pra mim, um educandário.Me lembro bem de vc me achar meio louco quando falava sobre cinema, mas ó vc aí e mandando muito bem. Gostei muito do seu blog, parabéns mesmo, vou acompanhá-lo agora, com certeza.Grande texto sobre Batman, preciso rever, mas é de longe o melhor deles.
Ah! Vê se assiste uns filminhos autorais, pô. Quero ver sua opinião sobre um desses...Legal vc gostar de Poderoso Chefão II, um dos meus preferidos de todos os tempos. Valeu, aparece no meu blog.
Beto
www.cinedobeto.blogspot.com

Conquistadores (Didixy) disse...

Olá,
Venho comunicá-los sobre o lançamento do novo blog dos Conquistadores, que será no dia 05/10. Figue atento e não deixe de visitar.

Com essa mudança, estamos mudando também nosso esquema de parceria e em breve entraremos em contato para fazer os acertos e explicar como será.

Abraços

Mijei disse...

Passando pra desejar que seu ano novo seja otimo, e muito sucesso pra vc e para o seu blog!

abraços


Mijei de Rir - Alegria e diversão!