domingo, 20 de julho de 2008

Especial: Batman - O Cavaleiro das Trevas



Primeiramente, peço perdão se em algum momento deste meu post eu não falar coisa com coisa ou simplesmente me perder nas palavras, mas o fato é que até agora, quase um dia e meio após o término da sessão de Batman – O Cavaleiro das Trevas, ainda estou em êxtase. Assistir a este filme foi uma experiência cinematográfica tão intensa, que não apreciava desde, vamos ver... O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei. Informo que com este post não pretendo estragar a surpresa de ninguém revelando detalhes da trama, mas sim, empolgar ainda mais as pessoas que ainda vão ver, e convencer de vez aquelas pessoas que estão pensando se vale ou não a pena conferir o novo Batman nos cinemas.

Em algumas críticas que li sobre o filme, se falava muito de se tratar do melhor filme de super-herói da história do cinema, discordo com eles. Pois O Cavaleiro das Trevas transcede o gênero, e pode ser comparado em minha opinião, não com filmes como Superman, Homem-Aranha ou Homem de Ferro, mas sim a filmes como Fogo Contra Fogo, O Poderoso Chefão 2 e Seven. Esqueça o Batman engraçadinho do seriado dos anos 60. Esqueça o Batman baixinho e pouco heróico de Michael Keaton e o Coringa brincalhão de Jack Nicholson (arma que solta bandeirinha de “bang”?), ambos dos filmes de Tim Burton. E esqueça principalmente o universo colorido, incluindo bat-mamilos nas armaduras e bat-cartão de crédito (blasfêêêmia) dos filmes de Joel Schumacher. O Batman de Christopher Nolan é sombrio, é complexo, tem profundidade em seus personagens. E todas suas bugigangas e peripércias fazem parte de um contexto, nada é gratuito apenas para poder vender mais bonequinhos.

Como em Batman Begins já presenciamos toda origem do personagem, que sim, precisava ser contada, e o Batman aparecia já com mais de uma hora de projeção, em Cavaleiro das Trevas, o filme já começa arrebentando mostrando um assalto protagonizado pelo aqui-inimigo do homem-morcego, ao mesmo tempo intercalando a ação com Batman reencontrando o Espantalho, em uma pequena participação, envolvendo cópias do herói, sendo esse um dos principais motivos para ele trocar seu uniforme. Logo também somos apresentados ao personagem mais bem desenvolvido pela trama, o promotor público Harvey Dent, que como todo bat-fã sabe, se transforma no vilão Duas-Caras.


Como já disse anteriormente, Cavaleiro das Trevas não é um filme de super-herói, aqui, Batman é humano, passível de erros, de questionamentos, se deve ou não continuar sua jornada contra o crime, sendo que por sua causa, vilões cada vez mais perigosos como o insano Coringa, começam a surgir, é a tal “escalada” citada por James Gordon em Batman Begins. Você realmente passa a acreditar que aqueles personagens poderiam sim, existir. Mérito do diretor e do elenco. The Dark Knight é um filme de máfia, policial ao extremo. A cena do interrogatório de Batman com o Coringa, desde já é uma das cenas que ficaram marcadas na história do cinema moderno. Ali fica claro que objetivo do vilão, não é dinheiro ou fama, mas sim provar para o mundo, que todo mundo pode chegar a cometer atos de loucura como ele, que é preciso apenas uma tragédia para que uma pessoa mude completamente. No decorrer do filme, ele tenta transformar a trinca dos heróis de Gotham formada por Batman, James Gordon e Harvey Dent.
E está aí, o grande acerto do roteiro. Mostrar que Batman e o Coringa são lados diferentes da mesma moeda. Ambos se transformaram no que são por causa de tragédias pessoais. A diferença são suas motivações. Em certo momento do filme, Harvey diz que ou se morre como herói, ou vive-se o bastante para se tornar o vilão. E é uma linha tênue que separa o personagem Bruce Wayne de continuar sendo um herói, ou se transformar em vilão, e é isso o que deseja o Coringa.




Todo o elenco está fenomenal, Christian Bale está mais maduro e seguro como Bruce Wayne/Batman. Os experientes Michael Caine e Morgan Freeman estão soberbos como Alfred Pennyworth e Lucius Fox respectivamente, Maggie Gyllenhall confere uma personalidade a Rachel Dawes, que a “Sra. Tom Cruise” Katie Holmes não conseguiu no filme anterior. Eric Roberts dá o tom ao mafioso da vez, Salvatori Maroni. Gary Oldman mais uma vez como James Gordon está excepcional como o único policial de Gotham que confia em Batman e é incorruptível. Aaron Eckhart como Harvey Dent/Duas-Caras está fantástico, sendo o personagem mais complexo da trama. Sendo que no início ele é considerado a esperança de uma Gotham City melhor pela população, ele é chamado por Batman como “o cavaleiro branco”, considerado por ele o verdadeiro herói que a cidade precisa, um herói com “rosto”. E esse é o mote principal do homem-morcego, transformar Harvey em um verdadeiro herói e finalmente poder sair de cena de uma vez por todas. Mas claro que a atuação mais destacada é sim do falecido Heath Ledger, ele simplesmente encarna o Coringa. Um louco psicótico que tem como principal objetivo, promover o caos. Apenas isso, como ele mesmo diz, “eu sou como um cachorro correndo atrás de um carro, não tenho a mínima idéia do que farei quando conseguir alcançá-lo”. Isso não importa para ele, até a origem dele, acertadamente o roteiro não conta. Ele mesmo, durante o filme, conta no mínimo umas três histórias diferentes sobre suas cicatrizes, o que deixa claro, que ele é tão louco, que não tem nenhuma noção nem da onde veio.

Muitos estão dizendo que Heath Ledger merece o Oscar pela sua excelente atuação como o palhaço do crime. Sinceramente não acho que a Academia daria o prêmio póstumo para ele, mas acho bem possível que receba uma indicação entre os cinco. Até porque a Academia já quebrou alguns tabus dando prêmios para filmes de fantasia como a trilogia O Senhor dos Anéis, e indicando Johnny Depp pelo filme Piratas do Caribe. Mas na minha opinião, o filme não deveria ganhar uma indicação apenas para ator, mas sim, para “melhor diretor”, “melhor filme”, “melhor edição”. Ironicamente, um dos prêmios que com certeza ele não terá indicações, será a de “melhor efeitos especiais” (prêmio esse que vira e mexe conta com filmes de super-heróis), já que o filme quase não usa truques digitais, é tudo real, a explosão de um hospital inteiro é real, um caminhão enorme capotando em plena avenida também é real.

Por fim, Batman – O Cavaleiro das Trevas é o retrato que todo leitor das HQs do herói, que conhece a fundo o seu universo, sonhava em ver traduzido nas telas do cinema. Os personagens já consolidados em mais de seis décadas foram traduzidos pelo diretor Christopher Nolan para uma realidade crível. Vemos no filme um pouco de cada uma das principais obras de Batman nos quadrinhos, sendo elas, Batman – Ano Um, O Cavaleiro das Trevas, HQ que o filme pegou o título emprestado, A Piada Mortal, Asilo Arkham, O Longo Dia das Bruxas e Vitória Sombria.

Neste exato momento deve estar havendo uma reunião de cúpula na Marvel, com todos preocupadíssimos em como que eles poderão superar uma obra tão densa e complexa quanto este último projeto da DC. Em uma cena do filme, o Coringa diz para Batman, "você mudou as coisas para sempre", e isso vale também para o cinema, pois os filmes baseados em heróis dos quadrinhos nunca mais serão os mesmo. O que deixa a gente na expectativa do que ele fará no praticamente certo terceiro filme. Mas por enquanto ainda estou degustando esta pequena obra-prima, que desde já, posso afirmar que é um dos meus filmes preferidos de todos os tempos, e futuramente terá um lugar reservado em minha DVDteca.

7 comentários:

Rose disse...

Até que enfim, heim... Agora fiquei ainda mais curiosa pra ver o filme...Esse blog é o máximo!

andrea disse...

Ainda nao consegui ver o filme e estou muito brava com vc por ter visto antes de mim, mais espero de poder ver antes de sair de cartaz, rsrs... Meu filho esta com muita raiva por que nao vai poder assistir, terei que correr atras do piratao pra ele assistir!!!!!

Coisitas disse...

Poxa ainda não fui assistir o filme mais agora eu vô!
Adorei o post agora to com mais vontade de assisttir.

Volta lá?

http://lanocoisitas.blogspot.com/

TheoMoura disse...

Tb não vii o Filme, Mas Gostei do Resumo Batimalisticos aii.
Apeesar de eu achar o Cavaleiro das Trevas Idiota...
Gosto Mas do Curinga, ele sim é o Cara!

Fernando Gomes disse...

ainda nao vi o filme e resolvi não ler o post pra não pegar nenhum spoiler e não assistir com uma opinião pré-formada..

sinceras desculpas, fico devendo um comentário melhor

Prii Persi disse...

Como o primeiro post disse, corcondo. Estou muito mais ansiosa para assistir.
Verei esse final de semana. ^^
Bem, quanto ao post, simplismente fantástico.
O Batman, sempre foi o meu preferido, por ser tão normal, não ter poderes, ser só ele. Adoro.

Parabéns, pelo post.
Beijos e sorte!

Gustavo Paiva disse...

Cara! Curti teu blog!

E sei como tu se sentiu quando assistiu batman.

Eu nao resisti e assisti duas vezes no cinema.

É perfeito!

E que trabalho foi aquele do Heath? Tava perfeito como o coringo.

Eu, enquanto ator, observo muito isso. Achei fantástica atuaçao dele. Roubava a cena!

E com certeza, batman contribuiu muito para o cinema!

o//

Abrass!