domingo, 15 de junho de 2008

A Obra do Cineasta M. Night Shyamalan



Manoj Nelliattu Shyamalan, ou simplesmente M. Night Shyamalan como é conhecido profissionalmente tem origem indiana, mas passou a maior parte de sua vida na Filadélfia, onde rodava alguns filmes caseiros, prevendo assim sua futura carreira de cineasta.

O primeiro filme de Shyamalan foi a comédia Olhos Abertos, já que Praying With Anger não teve um lançamento oficial. Mas foi em 1999, com o suposto “melhor roteiro de todos os tempos” que ele meteu os pés na porta Hollywood com o fantástico O Sexto Sentido. Um filme que tratava sobre questões espirituais, contava com uma atuação de Bruce Willis em um papel que não lhe era de costume, com a revelação do talento mirim Haley Joel Osment e de quebra, com um final totalmente surpreendente, fato esse que percorreria por toda a carreira do diretor até agora.

Depois de entrar para o primeiro time de diretores da noite para o dia, Shyamalan apresentou ao mundo a história de um homem comum que descobria que era praticamente indestrutível em Corpo Fechado, que foi vendido erroneamente aqui no Brasil, induzindo o público que se tratava de mais um filme sobrenatural, tanto pelo título, quanto pelo cartaz e a inscrição “do diretor de O Sexto Sentido”. O filme foi uma homenagem declarada aos heróis dos quadrinhos numa visão realista. Na seqüência ele trocou Bruce Willis por Mel Gibson e veio com Sinais, suspense sobre uma invasão alienígena acompanhada pelo olhar de uma família comum no interior dos EUA, mais uma vez fez sucesso apesar da crítica dividida. Mas Sinais não era exatamente sobre uma invasão alienígena, mas sobre o resgate da fé de um homem. Logo após veio A Vila, que falava sobre uma sociedade isolada do resto do mundo que mantinha um pacto com as criaturas da floresta, para que ninguém ultrapassasse os locais demarcados. Mais uma vez, o diretor não quer dizer exatamente o que está sendo mostrado na tela. Não era um filme sobre monstros que assustam aqueles que ousarem passarem os limites, e sim uma metáfora da sociedade do medo de hoje em dia, que vive limitada ao que o governo impõe a ela, geralmente pelo medo como o atual governo Bush.

No próximo filme, o diretor resolveu mudar um pouco o tom contando uma fábula sobre uma ninfa do mar que aparecia numa piscina em um condomínio, onde o síndico terá papel fundamental na trama. O filme A Dama na Água foi baseado em uma história que ele contava para os seus filhos e foi menosprezado pela maioria da crítica especializada. Mesmo concordando que se trata do roteiro mais fraco de M. Night até então, consegui enxergar uma sutileza de contos de fadas para adultos no longa. Mas se ele deslizou como roteirista, como diretor ele continuou excepcional, com enquadramentos diferenciados como na cena da piscina que mostra o síndico ao fundo, de longe, enquanto a câmera foca na água da piscina que começa a se mover lentamente provocando uma ligeira tensão no telespectador.

Depois desta jornada, o mais novo filme do diretor estreou nesta sexta. Fim dos Tempos fala de uma crise ambiental misteriosa que começa a afetar toda a humanidade, e conta com Mark Whalberg como o protagonista da vez.
Eu sempre espero muito de um filme de Shyamalan, já que sou fã do estilo autoral do diretor, que por bem ou por mal, é um dos poucos profissionais de Hollywood que ainda contam histórias originais que não sejam continuações, remakes ou baseados em best-sellers, quadrinhos e games. Enfim, com o perdão do trocadilho, espero que o título do filme não se refira também ao futuro da carreira deste talentosíssimo cineasta.

3 comentários:

Daniel disse...

Assisti este filme ontem( FIM DOS TEMPOS) , e particularmente achei os mais fraco dele até hoje... acredito que pelo fim, esperava mais deste filme...acho que ele utilizou de muitos suicidios e cenas mas violentas...( censura no cinema daqui de fortaleza era 12 anos, acho q um exagero, mas td bem)...mas a historia em si eh bem legal...natureza e acao do homem..tem a cena em q mostra a industria a fundo...no meioi da natureza..aquilo ali foi politico total... mas no fim, gostei, porém nao para ser um dos melhores...

abraços

maxflan disse...

Cara valeu por visitar meu blog

henriz disse...

Salve!
Você é suspeito pra falar de Shyamalan...=D
O Sr.Night começou muito bem, sem dúvidas com o excelente "Sexto Sentido"; onde escreveu um roteiro fantástico e mostrou todo seu talento como diretor.
E continuou mostrando até "A Vila". Você descreveu um ponto de vista que eu não tinha percebido sobre a sociedade do medo e essa (agora) malfadada relação com o governo americano.
"A Dama na Água" é muito fraco, não empolga - dormi na metade do filme - e por mais que ele tente mostrar seu talento como diretor, pra mim ele não foi feliz.
Agora "Fim dos Tempos", que parecia ser bacana pelos trailers, pelo que andei lendo (vide comentário também) é bem fraquinho e parece que ele se perdeu na direção dessa vez; esperarei pelo DVD.
Se você assistir nos cinemas, comente por aqui sua visão sobre o filme... apesar de realmente ser suspeito...=D
E quanto ao podcast?

Abraços!